Todas as publicações de: Tadeu Martins

Tadeu Martins

Sobre Tadeu Martins

Nascido em São Chico, Tadeu Martins é casado com Rose Mari Martins com quem tem quatro filhos: Elisandra, Glauber Eduí, Igor Ramiro e Indira. Estudou Arquitetura na UNISINOS, Artes Instituto Fernando Barim. Membro fundador das Academias de Letras de Santo Ângelo e Santiago, patrono Aureliano de Figueiredo Pinto. Galeria de Honra dos escritores de Santiago. Delegado da Estância da Poesia Crioula do RS. Possui 12 livros editados. Como Artista Plástico realizou dezenas de exposições no Brasil e exterior. Prêmio Martin Fierro - DF. Galo de Ouro de Gramado. Destaque Artes Plásticas década 80 - RS. Vencedor e jurado dos principais Festivas de Músicas Nativistas - RS e SC. Várias Esculturas Públicas. Troféu Clave de sol - RS e Estado em Artes - RS. Poeta Homenageado Assembleia Legislativa Maçônica. Comenda Sepé Tiaraju, Canoas.


Trovas do Atanásio

(Tadeu Martins) Se fizer uma pesquisa Neste momento agorinha, Alguém rouba de alguém – Sina da nossa Terrinha – Sempre nos bens de alguém Vai faltar uma galinha. É cultura enraizada Deste costume tão feio, Entre pessoas honestas Tem sempre…

Trovas do Atanásio

(Tadeu Martins) Na sexta-feira passada Eu te falei de amizade, Palavra que traz no peito Coração de afinidade, Hoje eu te falo um pouquinho Do coração da saudade. Sem coração de saudade É um ser pobre-coitado, Não tem o céu…

Trovas do Atanásio

(Tadeu Martins) Vou falar de amizade Que é o melhor que a vida tem, Um abraço no ano novo Juntando meus parabéns, Sem nada com ano velho Mando um abraço também. Porque uma boa amizade Não se compra em armazém,…

Trovas do Atanásio

(Tadeu Martins) De Santiago a Bossoroca Tem mais buraco no chão Do que uma terra lavrada Com buracos que se vão, Quando os buracos se tapam É uma terra com torrão. Sumiu o nome de Estrada De tudo que foi…

Trovas do Atanásio

(Tadeu Martins) Coitado do ano velho Bateu a cola no arame, Rengueando de impunidade E sofrendo de vexame, Antes de bater na cerca Tropeçou no dinheirame. 

Trovas do Atanásio

(Tadeu Martins) Não conheço outro velhinho Mais teimoso que o Noel, Não quer saber das tendências Da moda em seu papel, Tradição é tradição Não arreda em ser fiel.

Trovas do Atanásio

(Tadeu Martins) O diabo fica aplaudindo Quando o invejoso aparece, Porque a inveja para o diabo É o inverso de uma prece, No circo que o diabo monta Mais um ator comparece.

Trovas do Atanásio

(Tadeu Martins) Ouço no vento dos campos Um ar murmurando prece, Pedindo poetas pra terra Que a poesia padece, O céu esconde Aureliano E outro não aparece. 

Trovas do Atanásio

(Tadeu Martins) Nosso tempinho em Santiago Teve semana disposta, Disparando do calor Onde o friozinho se encosta, De manhã se bate queixo A tarde se racha “as costa . ” 

Trovas do Atanásio

(Tadeu Martins) Quem tem pátio sabe disso Que passarinho agradece, Tem um hino no seu canto Quando o bom dia amanhece, E tem gorjeio de amor Quando o bom dia anoitece.