Empregos: em junho, a região perdeu 129 postos de trabalho

Publicado por em .

Os números do Caged (Cadastro Geral de Empregados) não foram animadores em maio. Em Santiago, por exemplo, ocorrem mais demissões do que as contratações, apesar da abertura de várias empresas. Durante todo o mês, 226 pessoas perderam o emprego, enquanto 191 conseguiram uma ocupação com carteira assinada, resultando no fechamento de 35 vagas.

Números na região
O número também fechou negativo em Capão do Cipó, -21 vagas; Itacurubi -3; Unistalda -1; Jaguari -12; Nova Esperança -19; São Vicente -30; Manoel Viana -22. Em São Francisco, foram demitidas 28 pessoas, o mesmo número de contratadas. Mata foi a única cidade a criar empregos, com quatro vagas.

O comércio não se recuperou
O pior setor na geração de empregos em todo o Brasil durante maio foi o comércio, com o fechamento de mais 11 mil vagas. Conforme o IBGE, o resultado é uma tendência desde o início da crise econômica. Nos últimos quatro anos, o Brasil perdeu mais de 411 mil postos de trabalho neste setor e 80 mil empresas fecharam. Em Santiago, de janeiro a maio, a rotatividade foi alta. Foram demitidos 500 comerciários e contratados 476. Ou seja, a cidade perdeu 24 vagas.

A Agropecuária foi o setor que mais empregou
O Ministério do Trabalho divulgou que o Brasil criou 32 mil vagas de emprego em maio. A maior geração ocorreu no setor agropecuário, com a abertura de mais de 37 mil postos de trabalho. Em Santiago, o setor fechou no vermelho nos primeiros cinco meses do ano. De janeiro a maio, foram contratadas 68 pessoas para trabalhar na agropecuária. Mas, no mesmo período, aconteceram 86 demissões, resultando no fechamento de 18 vagas. No momento, Santiago emprega 505 pessoas trabalhando formalmente (com carteira assinada) em 206 propriedades rurais.

Salário não é atrativo
Conforme o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Santiago, Unistalda e Capão do Cipó, o piso oferecido para quem trabalha na agropecuária é de 1.286 reais. Para capataz, varia entre 1.362 e 1.551, dependendo do número de trabalhadores sob sua responsabilidade.