Judiciário bate recorde em adoções

Publicado por em .

Judiciário bate recorde em adoções

Ana Paula Nichel, João Lemes e Ana Paula Tolfo.

Foram oito em apenas um ano
Santiago – As juízas Ana Paula Nichel e Ana Paula Tolfo falaram ao Canal Expresso (Assista pelo Youtube) A primeira delas comanda a 2ª Vara Cível, que envolve a Infância e Juventude. A outra atua na 1ª Vara Cível que engloba também os processos de judicialização da saúde. As duas Anas festejam. Nichel comemora um recorde em adoções em 2018. Tolfo está feliz com a redução nos gastos pelo município e processos envolvendo saúde pública.

Oito adoções em um ano
Ana Paula Nichel diz que 2018 foi um ano de muito trabalho. Só na 2ª Vara Cível, há quase cinco mil processos, fora o juizado da Infância e Juventude, que hoje tem 311 processos. Ela se deteve nessa área por ser uma das mais importantes e comemorou um feito: “Em 2018, a nossa equipe conseguiu efetivar oito adoções. Para Santiago, esse número é significante, já que a média anual era de uma ou duas adoções”, conta a juíza.

Uma entrega irresponsável que vira ato de amor
A agilidade nas adoções se deu em razão de um projeto do Tribunal de Justiça, a Entrega Responsável. “Em 2018, capacitamos todos os que têm contato com as gestantes na região: agentes de saúde, conselheiros tutelares, equipes de ESFs… A finalidade era identificar as gestantes que, por algum motivo, desejavam colocar o filho para adoção. Elas então foram acolhidas e receberam toda a orientação para tomar essa decisão, à qual, não cabe julgamentos, pois é um ato de amor. Ninguém sabe o que se passa com essa mãe. Às vezes, a gravidez pode até ser fruto de uma violência sexual”, enfoca Ana Paula. Hoje a lista de adotantes gira entre 30, composta por casais de toda a região. A juíza agradece a todos os envolvidos nesse trabalho.

A conciliadora
Ana Paula Nichel tem se mostrado atuante nas conciliações. Ela diz que muitas vezes o processo se origina de uma mágoa, um ressentimento que não vai levar a nada. Ela conta que sempre oferece uma proposta de conciliação, tendo sucesso em muitas. Para este ano de 2019, ela tem um pedido que engloba tudo numa só palavra; respeito. “Esse é seu desejo para uma vida com menos processos e mais paz entre as famílias”, finaliza Ana Paula Nichel.

2018 foi ano de redução no número de processos
Ana Paula Tolfo chefia a 1ª Vara Cível. “Em 2018, o nosso trabalho cresceu muito. Antes, tudo era acumulado pela juíza Ana Paula Nichel. Somando os processos de muitas áreas, chega-se a seis mil, número que foi reduzido em mil o prazo de um ano”, explica.

Judicialização da saúde: Trabalho em conjunto consegue boa atuação
“O que nos preocupa é o impacto da nossa atuação nos orçamentos municipal e estadual. Este ano encerramos com números muito positivos e que refletem no atendimento à saúde. Nossa ideia é melhorar o atendimento com menor intervenção judicial, embora se saiba que é uma realidade mundial essa busca de solução em saúde por meio do judiciário.”

Em 2017 foram bloqueados mais de 500 mil do município
Um dos destaques é o trabalho em conjunto coma as duas varas; o comitê de saúde de Santiago, formado por vários órgãos, dentre eles, Promotoria, OAB, Prefeitura, Hospital… De 2017 para 2018 houve uma redução nos gastos com a judicialização da saúde. “Em 2017 foram bloqueados mais de 500 mil só do município. Neste ano, baixamos para 300 mil e 400 reais, mesmo com o aumento dos processos. Isso prova que estamos conseguindo melhorar as práticas num trabalho conjunto”, narra a juíza.

Oficina de pais
Outro bom trabalho para a comunidade é a Oficina de Pais. Serve aos casais em processo de separação e que tenham filhos. Ana Paula convida esses pais para que passem uma tarde com a equipe do fórum com a assistente social e façam uma reflexão sobre sua conduta em relação aos filhos.