Liberdade de expressão ou liberdade de repressão?

Publicado por em .

Reprodução.

(Breno Serafini – escritor)
Não é de hoje que o ser humano adora maledicências ou fofocas para atingir os seus objetivos. Agora, então, com as redes sociais com sua caixa de ressonância mundializada, falar bobagem e desfazer a imagem de alguém viraliza. E assim como todo vírus, pode matar reputações, reforçar preconceitos e, pior, expor à execração pública pessoas inocentes, sem sequer direito à defesa em primeira instância virtual.

Mas enquanto o privado, dito em mídia impressa ou em uma rede de TV, podemos chamar de direito de expressão, regulado, em certo sentido, pelo próprio público consumidor dessa informação, o que dizer do que é expresso por um ente público?
Esse é o caso a que temos assistido cada vez mais, com governantes que, não satisfeitos com a criação de meros factoides, passaram a disseminar fake news em rede sem nenhum pudor. Mas e quando é de mentira descarada que se trata? E quando isso é feito do lugar de fala de um presidente? Será que a liturgia do cargo, que, salvo paixões partidárias, deveria mirar um esforço de construção de uma nação, não deveria sofrer os mesmos freios de pesos e contrapesos a que uma democracia, em tese, está submetida?

Ou, pior ainda, merece essa democracia subsidiar e dar estofo a opiniões sem nenhuma legitimidade científica ou que ponham em risco a própria democracia? É ao que estamos assistindo nos Estados Unidos. A interrupção da transmissão televisiva do discurso do atual presidente e virtual perdedor da eleição foi um ato de censura pelas redes de TV?

Penso que não. A sociedade tem de apreender a se salvar de seus ditos salvadores. Como podemos perceber, pela régua da propalada maior democracia do planeta, estamos num barco que corre o risco de afundar com vencedores e vencidos. O mínimo que podemos fazer é restringir, sim, aqueles que, com estrutura e dinheiro públicos, se servem disso para cometerem barbaridades. A eles, em vez de direito de expressão, o nosso direito, civilizacional, de dizermos não, a nossa liberdade social de repressão.