O trânsito de São Chico é repleto de bebedeira e impunidade

São Chico – Mesmo sendo uma cidade com pouco mais de 19 mil habitantes, São Chico é conhecida na região pelo grande número de acidentes de carro com vítimas fatais. Na maioria dos casos, os motoristas estão bêbados, colocando em risco a vida deles e de quem não tem nada a ver com a história.

Morto na sarjeta
Há poucos dias, Claiton Melo, 18 anos, morreu depois que o carro dirigido por Antônio Carlos Contessa, 40 anos, capotou na rua Pinheiro Rocha, bairro Vila Nova. Claiton foi jogado dentro de uma sarjeta. Os outros ocupantes do Gol, Dilmar Correa Contessa, Airton Santos e Péterson de Melo dos Santos, ficaram feridos sem gravidade. O motorista estava bêbado e foi autuado em flagrante por homicídio doloso e lesão corporal e acabou no presídio.

Menor no volante
Em 2015, Victor da Luz de Oliveira, 17 anos, morreu depois que o carro capotou na saída da rua Borges de Medeiros. No volante estava outro jovem também de 17 anos.

Morreu dormindo
Já em agosto de 2013, Ivódio Nunes, 94 anos, morreu depois que um Monza invadiu o quarto em que ele dormia. O motorista também estava bêbado.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ela ficou (quase) inválida; o motorista segue impune
Em janeiro de 2004, Clarisse Machado, na época com 8 anos, foi atropelada na rua 13 de janeiro perto da AABB por uma caminhonete que vinha na contramão. A menina, que hoje está com 21 anos, ficou com sequelas e recebe pensão por invalidez. Conforme a mãe Janete Machado, o causador do acidente não tinha carteira e havia amanhecido de baile. Ele segue impune e circulando pela cidade como se nada tivesse acontecido.

Ela é o orgulho da família
Mesmo diante desta situação, Clarisse é orgulho da família pois está fazendo faculdade de ciências biológicas. “O que precisa ser feito é ter consciência que por imprudência qualquer um pode morrer ou pior, matar! Destruir a vida, sonhos de toda uma família. Penso que se houvesse justiça, se punissem realmente estes infratores, eles iriam pensar mais antes de serem tão inconsequentes”, desabafa Janete.