O que muda nos financiamentos da Caixa

Publicado por em .

A Caixa passará a oferecer financiamento imobiliário com uma taxa de juros mais baixa, mas o contrato será reajustado mensalmente pela inflação e não contempla a Minha Casa Minha Vida. Até então, os empréstimos para a compra da casa própria são corrigidos pela TR (taxa referencial), criada para conter a hiperinflação.

Simulação IPCA x TR para imóvel de 300 mil reais
Financiamento em 30 anos
Opção que já existe:
TR + 9,5% ao ano
Prestação Inicial: R$ 3.168 (Renda de 10.561, até 30%)

Nova opção:
IPCA + 4,95% ano ano
Prestação inicial: R$ 2.050 (Renda de 10.250, até 20%)
Redução de 35%

IPCA + 4,45% ano ano
Prestação inicial: R$ 1.930 (Renda de 9.649, até 20%)
Redução de 39%

IPCA + 3,95% ao ano
Prestação inicial: R$ 1.809 (Renda de 9.045, até 20%)
Redução de 43%

IPCA + 2,95% ao ano
Prestação inicial: R$ 1.566 (Renda de 7.830, até 20%)
Redução de 51%

Entenda como funcionará
O cliente poderá contratar um financiamento cuja taxa de juros terá dois componentes: uma taxa fixa, entre 2,95% e 4,95% ao ano, mais a variação da inflação (pelo IPCA mensal). Considerando a previsão do mercado financeiro de que a inflação termine o ano a 3,71%, isso significaria que o crédito imobiliário teria um custo ao redor de 6,71%. A taxa sempre mudará conforme muda a inflação. O banco financiará até 80% do imóvel e o prazo será de 30 anos. Além disso, parcela da renda comprometida poderá ser de 20%.

É vantajoso o financiamento pelo IPCA?
Só será vantajoso se a inflação se mantiver baixa porque é disso que depende o custo menor. Se a inflação disparar, o financiamento imobiliário poderá pesar no orçamento. A correção pelo IPCA, assim como na TR, será mensal. Se a inflação disparar, como já aconteceu muitas vezes no Brasil, o custo do financiamento também sobe e a taxa pode ficar mais cara que o esperado pelo consumidor.

Quem vai poder contratar o novo financiamento?
A ideia da Caixa é restringir o produto a consumidores de maior poder aquisitivo e que compram imóveis mais caros. Eles teriam maior capacidade de compreender e de acomodar no orçamento mensal as oscilações da inflação. O Minha Casa, Minha Vida, por exemplo, continua com o sistema atual.