Professor Pasini: ‘Criminoso é criminoso e deve pagar’

Professor Pasini: ‘Criminoso é criminoso e deve pagar’

Giovani Pasini.

O professor e escritor santiaguense Giovani Pasini, doutor em Educação pela UFSM, fará várias palestras pelo Estado sobre educação e segurança pública. Pasini, que também é coronel do Exército, fundou a Casa do Poeta de Santiago, integra as Academias de Letras de Santa Maria e Cruz Alta. Em Santiago a sua palestra será neste dia 11, no Centro Empresarial, às 19h. Haverá certificados. Reserve sua vaga pelo [email protected] Apoio: Centro Empresarial, Associação dos Oficiais da Reserva, Academia Santiaguense de Letras e Casa do Poeta.

Por que educação e a segurança?
Como cidadãos, temos que fazer algo para mudar a realidade. O Brasil possui a triste marca de 60 mil homicídios ao ano (5 mil por mês), 10% de todos os assassinatos do mundo. Temos uma Guerra da Síria nesta nação do futebol e do carnaval. Nós brasileiros não somos hospitaleiros, somos violentos. A minha ideia de realizar as palestras é de contribuir para a conscientização, em defesa da democracia e da liberdade. O estudo no Doutorado em Educação e os 26 anos de Exército me deram uma base científica para contribuir positivamente.

As palestras serão em todo o estado?
Estou transitando por todo o RS e já existem palestras para Santa Maria (10 Jul), Santiago (11 Jul), Cacequi (12 Jul), Rosário (13 Jul), Cruz Alta (16 Jul), São Sepé (17 Jul), Santo Antônio das Missões (18 Jul), Tupanciretã (19 Jul), Torres (24 Jul), Cachoeira do Sul (25 Jul), Ijuí (26 Jul), Alegrete (31 Jul e 2 Ago). Gostaria muito de levar essa palestra para Nova Esperança, Capão do Cipó, Jaguari, São Francisco, São Vicente, São Pedro, Bossoroca, Itacurubi, Unistalda, entre outros. Se alguma pessoa ou instituição quiser, basta fornecer o local da palestra e promover o evento. (91) 991996777 – whatsapp.

Por que o tema violência e a educação?
Qual a linha da palestra? A violência não é uma entidade com vontade própria. Ela não é um leão ou um cachorro que sai atacando. A violência é uma consequência das ações de humanos, que passam por escolhas. Um humano comete um assassinato por opção, não por ser “vítima da sociedade”. É claro que esse ato ocorre pela falência de sistemas como o da educação, da saúde, da segurança. É claro que a educação está totalmente relacionada com o tema. A população deve se conscientizar para se proteger, ajudar o sistema policial e cobrar das autoridades.

Como anda a educação no Brasil?
O que devemos fazer para mudar? A educação deve mudar a postura, principalmente a educação superior. Existe uma violência enorme, subliminar, dentro do sistema universitário. Lá dentro, por exemplo, ouvi que a polícia brasileira é a que mais mata. Também é a que mais morre. A quantidade de policiais que morre por ano no Brasil equivale a mesma quantidade de 99 anos na Inglaterra. Como mudar isso? A nossa cultura está falha por um desrespeito à autoridade e à vida. Segundo Paulo Freire, uma autoridade limita os outros e limita a si mesma. A autoridade que não se limita, comete a falha do autoritarismo. A universidade e a sociedade devem mudar sua postura quanto ao respeito à polícia. O indivíduo que furta hoje, assassina amanhã. A impunidade é excessiva em virtude do caos da segurança e do abismo dos valores morais. “Tudo posso, se tudo tenho”. Hoje se mata por um celular.

Onde é que estão as mudanças necessárias?
A violência é potencializada por dois motivos: o primeiro é uma questão sociológica, a falta da disciplina, de um civismo, do respeito ao outro. A desigualdade social não é o fator principal para a violência. A violência é fruto do mau exemplo e da impunidade. Se descobrem um a cada 10 assassinos, para um psicopata brasileiro, por que não matar? Um julgamento de assassinato no Chile leva de três a seis meses, no Brasil pode levar até sete anos. Temos que parar de vitimar o criminoso. Criminoso é criminoso e deve pagar por isso. O segundo motivo é que possuímos um sistema de polícia antiquado e defasado, chamado de “meia laranja”, ou sistema incompleto. Esse sistema é adotado somente pelo Brasil, na América Latina, e apenas alguns outros como Irã e Iraque. Uma polícia previne e a outra investiga.

Poderia traçar um paralelo da palestra?
A palestra se destina a educadores, militares, policiais, membros do Executivo, Legislativo e Judiciário e está organizada em bases estatísticas e propostas de soluções (educacionais) para a Segurança. Gostaria que tivesse a participação de policiais civis e militares, além de professores e dos companheiros do Exército. É uma palestra para quem se preocupa com a própria vida e com a dos seus filhos, uma atividade para cidadãos. Ela tem o objetivo de informar e diminuir o radicalismo, que muitas vezes ocorre pela falta de informação. Estou trabalhando nisso há mais de ano.

As palestras são gratuitas, mas com vagas limitadas. O participante recebe um certificado de 5 horas. Basta entrar em contato pelo whatsapp (91) 99199 6777, ou [email protected] e verificar se há vagas.