Promotora deixará Jaguari

Promotora deixará Jaguari

Depois de quatro anos, a promotora Luíza Trindade Losekann irá para Alegrete. A seguir, ela aborda sua atuação e alguns casos de destaque, como a queda da ponte e as denúncias contra médicos.

Médicos
“Anos atrás havia denúncia de que os médicos da secretaria de Saúde não cumpriam horários. A Promotoria investigou e o caso foi arquivado mediante um acordo com a Prefeitura, de que iria colocar ponto eletrônico. Neste ano houve outra denúncia da vereadora Cátina (PDT). O caso foi arquivado por se constatar que os médicos cumpriam horários”, explicou.

Venda de receitas
Outro caso investigado, e que a Promotoria pediu o arquivamento, foi a venda de atestados médicos. A denúncia dizia que médicos estariam indicando doenças crônicas sem examinar os pacientes. As receitas eram para quem desejava ser vacinado de graça contra a gripe A, sem estar nos grupos prioritários.

A queda da ponte
A promotora trabalhou em uma ação que está no Judiciário para investigar a responsabilidade do prefeito da época (2015) sobre o incidente com a ponte. “Essa ação está tramitando no Judiciário, pela omissão que prejudicou a comunidade”, disse. A promotora relatou que já existia uma ação antes da queda da ponte. “Quando cheguei, já havia um expediente para verificar suas condições. Quando a ponte caiu, o inquérito passou a apurar a responsabilidade”.

O trabalho em Jaguari
A promotora salienta a parceria da Brigada e a Polícia Civil. “Isso foi essencial no meu trabalho aqui. Os juízes também foram muito competentes. No presídio local, destaque para o Conselho da Comunidade. Para quem quiser sair do crime, esse presídio funciona”, explicou Luíza.