Santa Maria nas mãos das facções criminosas

Publicado por em .

Até o início dos anos 2000, quando se falava em facções criminosas elas ficavam restritas a Porto Alegre e cidades da região Metropolitana. No entanto, nos últimos anos elas se expandiram em busca de mais território. Duas das principais facções do Estado instalaram-se também em Santa Maria, agindo no tráfico de drogas, compra de armas, encomenda de execução de rivais e outros crimes, cada uma demonstrando muita força e poder.
(Fonte; Diário de S. Maria).

Delegado Sandro Meinerz.

Extermínio e violência extrema
Em entrevista ao jornal Diário, o delegado Sandro Meinerz explicou como se deu a interiorização das facções metropolitanas em solo santa-mariense. “São duas formas de atuação. A primeira delas observa a cooptação, seja por meio de aliança, ou com a sinalização de troca de favores. Ou seja, se um traficante tem alguém que deva dinheiro para ele, os criminosos da facção vão cobrá-lo. Se, por acaso, esse mesmo traficante tem um desafeto, essa facção irá eliminá-lo. Já a segunda forma de atuar, e mais agressiva, é a da intimidação. Nessa, aí, é o caso de uso de métodos com o emprego da violência extrema”.

Os Bala e Os Mano
Desde 2013, a Polícia Civil fez várias ações para impedir que os Bala na Cara e os Manos se instalassem na cidade. Várias prisões foram feitas, mas não teve jeito: as duas quadrilhas rivais chegaram de vez e controlam o tráfico em Santa Maria e cidades vizinhas. Meinerz diz que o saldo da chegada das duas facções é o fortalecimento destes grupos que não medem esforços (emprego de violência) para impactar o oponente. “Nessa batalha, a única perda contabilizada é de arsenal de armas e de munições. Até porque o crime organizado consegue de forma rápida repor eventuais baixas de seus soldados”, explica. Porém, o delegado enfatiza que não há uma batalha entre os Mano e os Bala. O que há é uma atuação dos Bala (que são mais presentes na cidade) em apoio àqueles que são protegidos pelo grupo. Dos Manos, a principal característica é que eles cometem homicídios por encomenda.

Controle sobre o tráfico
Meinerz esclarece que as duas facções abastecem o tráfico com cocaína, maconha e crack. A posição geográfica de Santa Maria é considerada pelos criminosos, que fazem do município um entreposto da droga. Sendo que para o tráfico internacional, que tem como destino o Uruguai, Santa Maria é um ponto de passagem. O delegado explicou que a droga que vem para ser distribuída na cidade tem como origem o Paraguai ou a Argentina. As drogas que chegam abastecem também todo o Centro do Estado.

Mais de 40 mortes violentas
Santa Maria tem até o momento, 42 mortes violentas. Em igual período, no ano passado, eram 41 assassinatos. Também foram registrados quatro feminicídios enquanto que, em todo o 2018, ocorreram dois. A maioria das vítimas e dos autores dos homicídios tem antecedentes policiais e passagens pelo sistema prisional. Já quanto ao índice de elucidação dos homicídios, passa de 90%.