Servidores do Judiciário decidem manter greve no RS

Publicado por em .

Os  trabalhadores do Judiciário gaúcho decidiram manter greve por tempo indeterminado. A paralisação completou duas semanas com um panelaço em Porto Alegre,  em frente ao Tribunal de Justiça. A assembleia geral contou com centenas de trabalhadores.  O Sindjus RS espera que a mobilização pressione a administração do Tribunal de Justiça a apresentar alguma resposta sobre a pauta de reivindicações da categoria. A entidade relata que mais de 80% das comarcas aderiram à paralisação, embora o TJ assegure que não há registro de anormalidade na prestação de serviços à população.

Na pauta dos Sindjus, a construção de um plano de carreira para os servidores do 1º grau, e a não extinção de cargos de oficiais escreventes, o que pode ocorrer caso o PL 93/2017 seja aprovado na Assembleia Legislativa. Além disso, os servidores pedem reajuste dos salários, congelados há cinco anos, do auxílio-alimentação e do valor ressarcido aos oficiais de justiça por despesas de condução. Os servidores do Judiciário e do Ministério Público também temem o deferimento de Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADI’s), movidas pelos governos anteriores, que questionaram reposições salariais de 8,13% (gestão de Sartori) e 8,69% (gestão de Rigotto). Se julgadas procedentes, elas poderão ocasionar perda de até 21% na remuneração dos trabalhadores.