Skatistas terão que andar na linha

Publicado por em .

Santiago – A Guarda de Trânsito, em parceria com o Conselho Tutelar e Brigada, chamou os skatistas nesta semana para um bate-papo sobre o uso de skate nas ruas. Conforme o diretor de trânsito, João Alberto Ferreira, a Administração não é contra o esporte. No entanto, há limites e normas aos praticantes, e uma delas é não atrapalhar o trânsito, o que não estava acontecendo e gerou um “bombardeio” de reclamações de motoristas e pedestres para que as autoridades tomassem alguma providência, temendo que algo mais grave viesse a acontecer.

Aqui não é mais lugar
Cenas como essa não serão mais vistas na Rua dos Poetas, quadra do Banrisul. Pelo menos foi o que ficou acertado na reunião. De acordo com a Guarda, há uma lei municipal que preveja multa para quem for pego cometendo infrações com o uso de patins, patinetes, skate e outros equipamentos de prática de esporte nas calçadas e ruas, exceto nos locais destinados. De acordo com João Alberto, isso será cobrado a partir de agora. Haverá um cadastramento dos skatistas e quem for pego em desacordo será advertido e seu skate será apreendido. Em caso de reincidência será aplicada uma multa (gravíssima) que chega a 1.973,00.

Pista só para enfeite
Os jovens alegam que vão para a frente do Banrisul porque o local é plano e central, o que facilita às manobras e encontros deles, já que o esporte é praticado em grupos. Também dizem que a pista construída pela Prefeitura na praça do QG não está adequada para a prática do esporte e indicaram outros locais, como o ginasião e a quadra do Zamperetti (futura arena). Sugestões serão enviadas à Prefeitura para que seja escolhido um local seguro para todos. Entre as alternativas, de imediato, está o fechamento de alguma quadra central nos finais de semana.

“Não somos baderneiros”!
Nem todos que andam de skate estiveram na reunião, mas os que realmente praticam o esporte foram fazer suas reivindicações e ouvir as recomendações de segurança. Alguns relataram que já sofreram até agressão de motoristas e, que muitas vezes, são tachados de baderneiros porque andam de skate. Do outro lado, há reclamações da falta de respeito de alguns skatistas e que eles se intitulam os “donos da rua”.