Um glossário para entender a língua portuguesa

Publicado por em .

joao cartola site(João Lemes) A língua portuguesa é rica em sinônimos e rica também em termos irônicos. Aliás, o Brasil é o país onde mais se diz uma coisa querendo dizer outra.

Afora os vícios do momento e as repetições que viram moda como “então assim óh”, “na verdade”, “ééééé…” tem as respostas que sete ou oito em 10 gaúchos dizem: “sério?” ou”Tá louco!”.

E agora circula nas redes uma dessas ironias baseada nas várias respostas
coloquiais que se praticam no dia a dia.
Não deu tempo – (não tive saco para fazer)

Não recebeu meu depósito? Me dá tua conta de novo! (não paguei e nem vou
pagar)

É complicado ! – (não quero dar opinião)

Tô chegando – ( ainda não saí de casa)

Depois te dou um retorno – (não vou te retornar)

Báh, me esqueci! – (não dei importância para teu pedido)

Já tá saindo teu prato, estamos caprichando! – (vamos começar agora a
preparar teu prato)

Temos que repensar nossa relação! – (Deu pra bola, já tenho outro alguém)

Está bem bom teu desempenho – (está péssimo teu desempenho)

Vamos formar uma comissão para estudar o caso – (não vamos estudar coisa
nenhuma)

Frase começada com “Então” – (vem enrolation por aí)

Resposta começada com “com certeza” – (pouca ou nenhuma convicção)

Resposta começada com “na verdade” – (sinal de incerteza)

Depois de um encontro – então tá, vamos nos falando – (não vamos mais nos
falar)

(Colaboração de Ruy Gessinger)