A espiritualidade no tratamento das doenças do coração

Publicado por em .

(Arlindo Disconzi)
Há pouco ocorreu o congresso brasileiro de cardiologia, em Porto Alegre. Entre os vários temas relacionados nas doenças cardíacas, como colesterol, hipertensão arterial, estresse, obesidade, tabagismo, o presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Oscar Dutra, abordou um tema novo, a espiritualidade no tratamento da cardiologia:
“A pessoa estando de bem consigo mesma, tem menos propensão de ter alteração cardiovascular. Isso tem uma explicação. Estando de bem consigo, as glândulas vão produzir menos. Exemplo; a suprarrenal, que produz a adrenalina, se ela aumenta a secreção, aumenta a pressão arterial, e taquicardia, que não são bons para o coração”, explica ele.
O médico pede aos cardiologistas que perguntem ao seu paciente sobre o assunto. Você é religioso? Que religião segue? Qual a sua tendência religiosa? Isto é um tema muito importante. “A espiritualidade diminui a possibilidade da pessoa desenvolver problemas no sistema cardiovascular. Pacientes ateus ou agnósticos que aceitaram fazer um processo de meditação também tiveram benefícios”, diz ele.

Mas afinal, o que é espiritualidade? Espiritualidade é o além da matéria. Ela nos deixa cada vez mais livres das coisas materiais. É o caminho para a religiosidade. O mundo materializado só pensa em lucro e dinheiro. Mas somos mais do que o corpo material.
Hoje existem várias faculdades de medicina que já têm em seus currículos a espiritualidade. Ela deixa a medicina mais humana; você deixa de ser só um número. Já têm espiritualidade em seus currículos a faculdade de Ceará, Triângulo mineiro, Santos, São Paulo, Rio Grande do Norte, Brasília, entre outras.