A gordura no fígado. A doença está presente em 30% da população

Publicado por em .

(Arlindo Disconzi)
DEFINIÇÃO: A gordura no fígado, chamada pala medicina de esteatose hepática não alcoólica começa quando as células do fígado contêm células gordurosa infiltradas nas células normais. É normal ter um pouco de gordura, porém, quando ultrapassa de cinco a dez por cento do volume do fígado, deve ser tratada e isto exige mudanças no estilo de vida.

CAUSAS: São dois tipos: a alcóolica e a não alcóolica, que é o tema desta coluna. A obesidade está presente em 60% dos casos da não alcóolica, além de hepatites B e C, diabetes, triglicerídeos e colesterol altos, medicamentos como corticóides, hormônio estrogênio e também a gordura abdominal (barriga) que não é boa para o coração.

SINTOMAS E DIAGNÓSTICO: Dificilmente dá sintoma, geralmente é achado em exames de ultrassonografia abdominal por outras causas. Ela pode complicar com cirrose ou câncer do fígado.

TRATAMENTO: Diminuindo 5% do peso já pode corrigir 30% da gordura. O ideal é perder 10% do peso, é o que afirma a hepatologista Liana Codes, do Hospital de Salvador. Isso você consegue usando poucos carbohidratos, alimentos ricos em fibras, usando mais proteínas como queijo branco, clara de ovo, pera, ameixa, leite desnatado, arroz integral, carne branca, melão e pouca bebida alcóolica. A atividade física de uns 150 minutos por semana também ajuda muito.