Bebês não nascem indefesos…

(Valdo Barcelos)
É frequente escutarmos que os bebês nascem totalmente indefesos. Essa é uma forma equivocada de olhar para esses recém-chegados. Os bebês não são indefesos. Pelo simples fato de que nascer não é um ato de partir para a luta. Nascer é um momento de ser acolhido e amado como um recém-chegado a esse mundo. Um mundo organizado e comandado por adultos. Se alguém tem alguma responsabilidade pelo mundo que a criança encontra, esse alguém é o adulto que a recebe. Bebês não conhecem o medo. As crianças nascem na total confiança. Não por acaso um de seus primeiros gestos é abrir as pequenas mãos e fazer como que um aceno em direção das imagens, ainda difusas, do pai ou da mãe que começa a perceber. O bebê nasce totalmente propenso para receber amor. Isso ocorre de forma espontânea. Nem poderia ser diferente. Esse recém-chegado não conhece medo, desconfiança ou qualquer outro sentimento de negação.

Em importante pesquisa na Inglaterra logo após o final da Segunda Guerra Mundial, os pesquisadores(as) acompanharam várias crianças que, em função dos constantes bombardeios feitos pela força aérea alemã sobre a cidade de Londres, eram levadas pelos pais de um local para outro para se protegerem das bombas. Essas crianças apresentaram imensas dificuldades em desenvolver muitas das habilidades normais para qualquer criança que não tenha sido privada do acolhimento e do cuidado da maternidade. A privação desse cuidado e de amor causa danos difíceis de reparar no desenvolvimento afetivo de qualquer criança.

Outro exemplo de consequências negativas, para o desenvolvimento das crianças decorrente da privação do acolhimento materno, é o caso das crianças que acabam sendo criadas nos orfanatos. Essas crianças, não raro, apresentam grandes dificuldades de relacionamento com outras crianças e mesmo dificuldades de adaptação nos lares para onde são encaminhados. Essas crianças necessitam de uma atenção carinhosa redobrada para, aos poucos, readquirem a confiança nos adultos que as acolheram. Bebês nascem para serem amados.