Causas e consequências da greve de caminhoneiros

(Arlete Gudolle)
Escreveria em apoio à greve de caminhoneiros e às reivindicações justas. No entanto, os transtornos gerados pelo tolhimento da liberdade de ir e vir estão fazendo o povo a vítima maior apesar de já tão castigado pelo descaso de governos e da roubalheira generalizada. Isso me fez desviar o foco do assunto e analisar a má conduta de alguns empresários, principalmente dos envolvidos com a venda de combustíveis e donos de supermercados, feiras, açougues e todos os que comercializam alimentos.

Quando todos os brasileiros deveriam aproveitar a situação gerada pelas paralisações e refletirem sobre as causas e as consequências do caos instalado no Brasil, estão produzindo os mesmos atos corruptos que tanto condenam. Há lindas exceções, mas os que elevam ao exagero, retiram de balcões e bombas de postos os produtos a serem comercializados e aqueles que, nos bastidores, insuflam pessoas alheias à causa a fomentarem a baderna, revela-se a tendência nata de grande parte deles de levar vantagem à cata de lucro fácil e rápido. Como esse tipo de cultura já está entranhado no cerne brasileiro, apoiados por jornais, rádios e TV, desvirtuam o foco da crise denegrindo as justas reivindicações dos caminhoneiros. Em contrapartida, se a população deixasse de comprar produtos vendidos com preço elevado ou adquirisse o estritamente necessário, não faltariam alimentos. Se, quem tem carro, em vez de se deslocar para o trabalho sozinho, oferecesse carona através de rodízio, não faltariam combustíveis.