Do medo infantil à lealdade dos submissos

Do medo infantil à lealdade dos submissos

Publicado por em .

(Valdo Barcelos)
Ao contrário do que o senso comum preconiza, a lealdade pode ser muito perigosa em nossas vidas. Isso que chamamos de lealdade pode se transformar em submissão a um ditador, a um falsário guru, em obediência a um líder corrupto etc. Mas de onde vem essa necessidade de sermos leais a alguém? Ela começa na mais tenra infância, com a lealdade que nos ensinam que devemos ter em relação aos nossos pais, em particular, a mãe. Essa lealdade nada mais é que a decorrência do medo que a criança é ensinada a ter em relação aquele(a) pessoa que diz protegê-la.

À medida que vamos crescendo vamos construindo nossas relações muito mais em função de lealdade que de solidariedade ou generosidade. Mesmo nossas alianças são feitas em nome de uma pretensa segurança que a lealdade recebida promete. Isso é falso. Nada garante que, ao pertencermos a um determinado grupo, estaremos seguros.

A história nos oferece exemplos disto. Ao contrário, toda vez que algum membro do grupo se rebela, mostra discordância ou ameaça se afastar, é tratado com impiedosa intolerância. Esse dissidente passa a ser visto com a pecha definitiva de traidor. A partir desse momento paga um preço altíssimo por ter ousado discordar, a criticar o líder e demais componentes do grupo. O castigo é sempre o mesmo: expulsão sumária e execração pública. A política é um dos campos da ação humana onde essa cobrança por lealdade se manifesta de forma evidente e autoritária.

O medo infantil se manifesta, no seguimento das decisões partidárias, mesmo que sejam incoerentes ou não éticas. Na obediência ao dirigente máximo mesmo quando esse já não detém poder algum nas estruturas de direção. Quando a lealdade é total ela não carece de justificativa institucional, ética ou moral. Ela se basta por si só. Nesses casos, estamos frente à cultura das seitas de fanáticos e de pessoas imbecilizadas pela cegueira da lealdade a qualquer preço. Quando isso acontece, pouco se pode fazer, pois o medo infantil se transformou em idolatria a um líder corrupto.