Sobre a febre amarela

Sobre a febre amarela

(Arlindo Disconzi)
Originou-se na África e veio ao Brasil pelo tráfico de escravos. É causada por um vírus e transmitida por um mosquito haemagogus na forma silvestre e pelo mosquito aedes aegypti na forma urbana, o mesmo da dengue. O último surto da forma urbana foi em 1942, mas há risco de voltar, considerando que o aedes está presente nas cidades.
Os macacos não transmitem a doença, apenas nos alertam de que na mata há o vírus. Sem eles, seria difícil diagnosticar a presença do vírus.

Sintomas
Febre, calafrios, cefaleia, icterícia intensa (lesão do fígado – daí o nome de febre amarela), vômitos. É mortal em mais de 40% dos casos.

Tratamento
Não há tratamento específico por se tratar de vírus, só tratamento sintomático. A maneira de evitá-la é a vacina. Santiago dispõe da vacina integral que agora é feita uma vez só. No Brasil, está se usando a fracionada que dura em torno de nove anos e tem que ser refeita. Se vai viajar para outros países, é preciso fazer a integral.

Quem não deve fazer vacina
Gestantes, idosos, pessoas em quimioterapia e em determinados tratamentos de saúde não podem receber a vacina por causa dos riscos de reações graves, assim como menores de seis meses, pois o sistema imunológico ainda é fraco.

Reação à vacina: é muito rara a reação. Significa que a pessoa não tinha imunidade nenhuma e, se tivesse pego a doença, dificilmente sobreviveria.