Ela disse NÃO e economizou 35 mil para os calçamentos

Ela disse NÃO e economizou 35 mil para os calçamentos

Manoel Viana – O jornal Jaguar Regional ouviu a vereadora Marina Porto (MDB), que em 2017 presidiu o Legislativo. Marina é empresária, graduada em Gestão Pública, cursa MBA em Gestão de Recursos Humanos e comandou a Câmara pensando em aproximar Executivo e Legislativo. Durante seu mandato enfrentou algum problemas, como a devolução do aumento salarial dado aos vereadores entre 2013 e 2016 e a questão do pagamento do 13º no atual mandato. Como disse não a um gasto de 35 mil, ganhou mais credibilidade da população.

Como avalia este ano como presidente da Câmara?
Procurei fazer um papel essencial, que foi a mediação de conflitos entre a Câmara e a Prefeitura. Muitas vezes, o andamento dos trabalhos é interrompido pela política partidária, mas tentei o entendimento entre ambas para que se tenha maior celeridade. Assumi cheia de intenções em ajudar, porém não fiz tudo o que gostaria por causa da burocracia. Também procurei abrir várias portas no governo do Estado ao prefeito. Estive em Brasília onde deixei vários encaminhamentos, tudo sem gasto para meu município.

Quando será a eleição da nova mesa? Existe acordo e quem assumirá?
Sim, tem acordo, ou eu não teria sido eleita. Neste quesito, as forças políticas falam mais alto e as vaidades se sobressaem. Eu já fui vítima de acordo que foi desfeito por ganância, mas eu cumpro a minha palavra. No início de janeiro terá eleição e votarei na pessoa com quem me comprometi.

Como foi a descoberta do pagamento a maior aos vereadores na legislatura 2013 a 2016.

Ela disse NÃO e economizou 35 mil para os calçamentos

Marina Porto.

Não houve apontamento do Tribunal, inclusive eles nem viram isso e as contas dos ex-presidentes Carlinhos e Tamara já tinham sido aprovadas. O que aconteceu é que em agosto recebemos ofício do prefeito informando o que havia acontecido com o pagamento de valores maior a todos os vereadores, dando-lhes reajuste anual, contrariando a lei. Fizemos toda a parte burocrática e o valor a ser devolvido chega a 82 mil reais. Terei que devolver 8.783 reais e já estou com os boletos em mão.

E sobre a indicação de alguns vereadores reivindicando o 13º e 1/3 de férias, qual sua posição?
A indicação é somente uma sugestão, que já explanei em meu parecer. Eu já havia dito que entendo não ser correto nós, vereadores, recebermos mais um salário e 1/3 de férias, visto que não termos horário a cumprir e podemos ter outro emprego. Hoje já existe parecer favorável, porém é uma opção, e não imposição. Assim, decidi não pagar.

E que disse a Justiça?
Entendeu pelo não pagamento. Caso houvesse o pagamento, daria mais de 35 mil reais, dinheiro que já devolvemos à Prefeitura e será usado em calçamento.

Qual é o comprometimento do orçamento para o desempenho das funções, folha de pagamento e quanto se gastou em diárias?
Nosso orçamento é de um milhão e 241 mil. Gastamos 536 mil na folha de pagamento e devolvemos 409 mil à Prefeitura. Em diárias foram pagos 22 mil, uma redução de 24% em comparação com 2016 e 36% menor do que em 2015.

Como projeta seu futuro e o que pensa para Manoel Viana em 2018?
Cumprir meu dever de vereadora e de cidadã, que luta pelo melhor para a maioria. Quero terminar minha pós-graduação em Recursos Humanos, viajar e estar ao lado das coisas boas, principalmente buscando apoio para melhorar minha cidade. Mas com os pés no chão, não esquecendo minhas raízes e minha gente.

Agradecimento
Quero agradecer a equipe e assessores que estiveram comigo em 2017. Presidir a Câmara foi uma experiência significante e levamos as sessões a todas as comunidades, realizar o projeto vereador jovem, promover palestras sobre o que representa o poder legislativo e fazer uma cartilha para os cidadãos onde consta os atos mais importantes da Câmara.