Vereadores aprovam o turno único na Prefeitura

Vereadores aprovam o turno único na Prefeitura

Santiago – Depois da polêmica do 13° dos vereadores, o assunto dos últimos dias foi o turno único na Prefeitura. A Administração mandou o projeto para aprovação da Câmara. Como gerou repercussão, a comunidade foi convocada para debater em audiência pública, mas apenas meia-dúzia compareceu. O auditório ficou lotado mesmo de servidores favoráveis ao horário corrido.
Nesta semana o projeto acabou aprovado. Os vereadores que votaram contra foram Eva Müller (MDB), Clairton Pivoto (PSDB), Rafael Nemitz (PSD) e Nelson Abreu (PDT). Os favoráveis: Davi Vernier, Peru Goski, Pelé, Tadeu Machado, Joel Oliveira, Batista Manzoni, Dionathan Farias e Gildo Fortes.

Discussão sobre a eficaz economia
A Administração diz que o horário diferenciado gera economia com água, luz, telefone, combustível e material de expediente. Já a comissão liderada pelo vereador Rafael Nemitz defende que não é contra o turno único, mas que seja implantado de acordo com o horário de verão, o que geraria mais economia. Também reclama da Prefeitura não ter enviado à Câmara uma justificativa com dados de economia e informado quais os serviços considerados essenciais que não sofrerão alteração no horário. O Sindicato dos professores e todas as Emeis também se manifestaram contra o turno único.

Chega de CCs
O vereador Gildo Fortes (PP) questionou, fez algumas críticas à Administração, pra não perder o costume, mas na hora do “do pega”, foi com sua bancada e disse sim. “Uma coisa vou conclamar à nossa bancada. Não votaremos mais nenhum cargo de CC e FG (função gratificada) até que essa crise passe. Esse pedido eu faço, implorando aos meus queridos colegas da bancada e demais vereadores”, disse Gildo.

A comunidade não quer
Rafael Nemitz diz que a comunidade não compactua com esse horário, mas lamenta que essa mesma comunidade não costuma ir nas audiências públicas. Também informou que muitos servidores reclamaram (na audiência pública) que ganham mal na Prefeitura, não são valorizados e que têm que sair as 14h para fazer bicos.

Onde se economiza?
Davi Vernier (PP) disse que concorda por um lado com a comissão, mas que também vê pelo lado administrativo, principalmente o financeiro. Só em serviços e peças a economia chega a 50%, informou. “O município vai perder em serviços, mas é uma questão de economia. Estamos à mercê de parar a folha de pagamento amanhã. Há dois anos, na primeira semana de cada mês, só com o imposto que entrava na Prefeitura se garantia a folha do mês. Hoje chega no final do mês e nós não temos mais a folha garantida”.

Gildo Fortes – “Agora vem o Davi e faz uma ‘choraiada’ que não tem dinheiro. Há um mês foram contratadas duas enfermeiras com altos salários, servidoras de carreira, sem necessidade, já que o quadro estava cheio”.

Eva Müller – “Na audiência pública, tínhamos quase 100% de funcionários públicos. E a maioria se manifestou que ganha pouco. Mas então, se ganha pouco, vão procurar o sindicato pra ver o que está acontecendo”.

Vereadores aprovam o turno único na Prefeitura

Paulinho Salbego.

Turno único é a solução?
São Chico – Há vários anos o turno único nas Prefeitura da região vem sendo adotado como forma de economia. Em são Chico, o prefeito Paulinho Salbego (PDT), disse que essa medida é importante, pois traz uma redução considerável no consumo de energia, combustível e água. Salbego lembrou que na área da Saúde e no setor de Obras, o turno é normal.